sábado, novembro 19, 2011

Paris (um caso de estudo)












quarenta e qualquer coisa anos depois (...) às voltas com a (mesma) fita
a ironia da crítica ao "estilo internacional" re-passada em "piadite aguda" (late Kualhismo - esse grande "genérico") para arquitectura aos "quadradinhos"...
isto, sempre tão "prolixos" em pedagógicas (demagógicas!) "explicações", não explicam (...) eles

4 Comments:

Blogger alma said...

eh eh eh !
Se ainda poucas pessoas percebem passados 30 anos o que é o pós moderno :)
Como quer que lhe expliquem o histrionismo da arquitectura dos BiG´s :)

Imagino que lá para 2030 alguém surja com uma tese aceitável :)))
até lá vivemos nas brumas do conhecimento ...


se houve algo maravilhoso na exposição do V&A
foi ter visto isto :)))


http://www.adero.de/produkte/Tea-Coffee-Piazza-Aldo-Rossi-Officina-Alessi.html

4:32 da tarde  
Blogger AM said...

é assim, o torrãozinho :) sempre trinta ou quarenta (ou mais) anos de "delay" :)
aceito a provocação retrô (LOL) do seu Rossi :)))

5:57 da tarde  
Blogger ie said...

It's sad how the acolytes of Koolhaas have gone from defending surrealistic dissonance to the saddest, poorest "problem solving". It's sad to try to point out that diagrams lead to (steadily less and less and less) outrageous buildings when nobody gives two shits about the building, what will go on inside, or the architects... I mean, there's a difference between Koolhaas' identification of the drives and contradictions of capitalism and BIG's corporatism. They're just a current version of SOM or the like, without the occasional poetry. Boring.

Anyway, on Aldo Rossi this is all I have to say: http://www.flickr.com/photos/poblequadrat/6050470988/

9:28 da tarde  
Blogger AM said...

absolutely (right), ie
thanks for your coment and for AR link

9:47 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home