domingo, dezembro 26, 2010

calendários e esferográficas

estava para aqui a olhar (no monitor) para os peixes do Klee e a pensar nos peixes do Gehry...
sei que este último "justifica" os seus (múltiplos) peixes como uma reacção (não gosto nada disto da leitura da história por "reacções" mas adiante...) como uma reacção ao "regresso ao passado" dos Pós- Modernos (como se o "regresso ao passado" fosse mais uma dessas específicas características de uma inventada pós-modernidade...)
gostava de ler sobre as possíveis e eventuais "relações" (perigosas) entre os peixes ("cristãos") e a "mudança de nome" (de "verbo"...) do (para) Gehry...
se tiverem biblio (cromos!) prá troca...

Dezembro é mês de listas
o VH1 presenteou-nos (hurra!) com os melhores (video) clips dos últimos (00-10) dez anos
no podium (não pude deixar de sentir uma saudade por alguns dos melhores dos 90's e dos 80's...), no top 3, Familiar Feeling dos Moloko, You Rock My World de Michael Jackson e, em primeiro lugar (uma escolha acertada - também à quadra... - e muito muito corajosa...), Hurt de Johnny Cash
(em quinto lugar ficou a revisitação particularmente oportuna de outro clip com baleias e o cepo...)

todos aqueles (como nas mensagens de boas festas...) que tiveram a sorte (a felicidade e o sofrimento...) de passar do papel à obra sabem (imagino que possam ter sentido o mesmo...) sabem como os edifícios acabam por ficar com qualquer coisa de... "nosso"... (da nossa "personalidade"...)
não é por acaso que as obras são amadas como os filhos
não é por acaso que gostamos - "sempre!" (Vítor Figueiredo dixit) - das obras dos amigos
não é mesmo por acaso que não somos (nem queremos ser) amigos dos autores de obras (mais sobre a importância do gosto em...) de que não gostamos...

cuidado com as ofertas de calendários e esferográficas
não esqueçam que não há esferográficas grátis e que do rolar da ponta vai depender grande parte do destino dos nossos desenhos (e do nosso destino nos desenhos...)

2 Comments:

Blogger alma said...

a ligação mais curiosa: é o filho do Klee casar com a filha do Hannes meyer :)))

hei-de ver o que tenho :)

eh eh eh
brilhante dissertação sobre o amor/ódio nas relaçoes com as obras/autor :)
...

3:26 da tarde  
Blogger AM said...

não é nenhuma dissertação :)
não confundir as manuscritas postas do rio da aldeia do ODP com as teses dos nossos doutores de Coimbra :)

o casamento do filho do Klee com a filha do Hannes Meyer foi "made in heaven" (...) ou made in Bauhaus!?... :)))
e odespois eu (father Junipero...) é que tenho preocupações bizarras... :)))

7:37 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home